Ninguém é invisível


19/12/2014
A última campanha para presidente do Brasil mostrou a cara mais baixa do nosso país. Uma campanha de mentiras, calúnias, inversão de verdades. Aplicação de técnicas de comunicação de massa conhecidas desde o nazismo e somadas ao roteiro de uma sabedoria milenar oriental, do marketing de guerrilha.
E, nesta nossa época de Internet multiplicadora, avassaladora, os comandantes do marketing político investiram pesado nas artimanhas de toda a rede da Internet, em especial nos Blogs, Vlogs e nas redes sociais, com destaque para o Facebook, Twitter e Youtube.
A velocidade da rede é instantânea. A velocidade da justiça, não mesmo. Depois de quase dois meses do final do pleito e quatro meses depois das solicitações do então candidato Aécio Neves, a justiça brasileira obrigou ao Twitter a informar os dados de diversos usuários considerados caluniadores e promotores das calúnias contra o político mineiro. Em especial sobre as ilações de que ele é (ou foi) usuário de cocaína.
Felizmente a sociedade, representada pelo conjunto de leis que a orienta e rege, tem caminhos democráticos e legalistas para que um cidadão possa se defender de tentativas de distorção da realidade e prejuízo à sua imagem pessoal e profissional.

É mais uma sinalização que ninguém está à margem da lei. Não tem computador ou perfil falso que possa esconder os usuários que estão a serviço da má conduta.
Vamos acompanhando para ver até onde irão estes processos. Mas é um bom começo democrático do uso legalista da rede. Internet não é terra de ninguém, como alguns pensam.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/12/1564613-juiz-manda-twitter-revelar-usuarios-a-aecio.shtml


Publicado por: Bira Castellano

       

Notícias